domingo, 3 de dezembro de 2017

BRITISH CANOEING: curso online PaddleSport Leader

Para quem tiver interesse em realizar um bom curso sobre como funcionam algumas questões de liderança de grupo nas remadas, a British Canoeing oferece um curso online de graça... até com certificado de participação... Vale a pena conferir. O endereço é https://www.britishcanoeing.org.uk/e-learning/paddlesport/.

Modelo de liderança da British Canoeing.

De forma bem resumida, para quem não está muito afiado na língua inglesa, descrevo abaixo o que entendi dos principais tópicos apresentados:

- As decisões tomadas pelo grupo, especialmente pelo líder, podem resultar num ótimo dia de remada, sendo considerado um dia de sucesso pelo grupo; ou pode gerar um dia de frustrações, que poderia ser bem melhor, se outras decisões fossem tomadas.

- Um bom líder, deixa as pessoas seguras, influencia e motiva (os indivíduos e o grupo), inspira os outros remadores, desenvolve a paixão pela canoagem (ou outro esporte). Este deve possuir/desenvolver habilidades interpessoais tais como: boa comunicação, empatia, tentar entender todos a sua volta...

- Sobre o modelo de liderança apresentado pela British Canoeing, mostrado na figura acima, pode-se destacar alguns pontos: 

The Influences (As influências)

- O que influencia no comportamento de um líder?
- Ignorar as influências vai enfraquecer e empobrecer sua liderança.
- Responder e adaptar-se de acordo com as influências vai te transformar num líder inspirador.

- Quais são essas influências? A situação e o ambiente, o próprio líder e o seu grupo.

- Quando falamos de situações e ambiente, podemos citar: clima, condições da água, os objetivos do grupo, o tipo de tarefa a ser realizada.

- O próprio lider é um fator de influência, dependendo de seus atributos pessoais como: personalidade, competência, experiência, filosofia, valores pessoais e crenças.

- Os membros do grupo também influenciam muito. É importante manter em mente que as pessoas tem diferentes características, personalidades, níveis de habilidade e preferências por tipos diferentes de liderança.

The leadership behaviour (O comportamento do líder)

- Deve ser adaptativo, reativo e auto-monitorado. Alimentado pelas influências.
- Deve promover visão, desafio e suporte aos membros do grupo.
- Deve dar visão dos objetivos daquele evento, que inpire o grupo. O lider deve ser uma pessoa positiva, criando um ambiente de confiança e respeito. Dando suporte para o grupo alcançar os objetivos, reconhecendo necessidades diferentes, preocupado com o desenvolvimento do grupo, fornecendo suporte, numa atmosfera positiva.

Leadership styles (Estilos de liderança)

- Trata do nível de controle sobre o grupo e de como se dá o processo de decisão.
- O estilo de liderança deve mudar de acordo com as influências e os efeitos resultantes observados.
- É importante que o líder saiba qual o seu estilo (mais ou menos controlador) e pra onde quer ir (qual estilo quer ter em determinada situação).

Controlling X Non-controlling (Estilo controlador X não controlador)

- Um estilo onde o lider é menos controlador permite ao grupo melhorar seu desempenho e também gera um sentimento de bem estar. É um estilo onde o lider dá suporte e empodera o grupo. Isso garante um sentimento de valorização, envolvimento no processo e gera comprometimento das pessoas.

- Se muito controle for necessário por parte do líder é preciso que o mesmo reveja se o desafio proposto não está muito alto... se estiver é hora de adaptar (a tarefa, o roteiro, ...) para criar desafios que estejam mais de acordo com o nível do grupo.

Leader Decision Making (Tomada de decisão)

- Decisões ocorrem a todo momento quando se está liderando um grupo. E quando se está sendo liderado também...
- Estas decisões devem considerar: as influências, os comportamentos do grupo e os efeitos gerados no grupo.
- Quando se está na água é importante monitorar as decisões tomadas, os efeitos, e estar pronto para reagir e se adaptar...

Planning and Preparation

- Pensar no local que vai ocorrer a remada ou que será dada uma instrução.
- Ponderar habilidades individuais e experiências passadas dos membros do grupo.
- Pensar na personalidade, motivação e expectativa do grupo.
- Avaliar o clima e as condições da aǵua.

Observation and Monitoring

- Planejar alternativas. Os lideres constantemente reagem e adaptam suas decisões baseados nas situações que aparecem, no ambiente onde estão, nos membros do grupo e em suas próprias habilidades.
- Fora da água é importante refletir sobre as decisões tomadas, com o objetivo de melhorar futuras decisões.

Effects (Efeitos)

- É interessante monitorar o efeito de sua liderança no grupo. Algumas questões que você pode se fazer são:

- O grupo está gostando/aproveitando?
- O desafio está de acordo com o desempenho do grupo?
- Eles estão se sentindo seguros?

É importante se perguntar e, dependendo das respostas, adaptar-se...



O curso foi legal para aprender um pouco mais sobre esse assunto tão importante...

Comente sobre o assunto...
Deixe sua opinião, nos conte suas experiências... 
Discorda de algo? Escreva... 
Tem alguma dica para enriquecer a discussão? Mande... 
Sugestões e críticas são sempre bem-vindas. Obrigado.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

CLAP: Um acrônimo para segurança nas remadas

Eu acredito que os líderes não nascem prontos. Os conceitos de liderança podem ser estudados e depois aplicados dia após dia... Você não precisa ser o melhor remador do mundo, ter a técnica mais apurada, para ajudar e se responsabilizar pelos outros na água. O que você precisa é conseguir fazer julgamentos baseados nas suas experiências e conhecer alguns princípios básicos. A liderança é algo que você sempre pode melhorar e só aprenderá mais com horas e horas dentro da água, remando, cuidando e trabalhando com diferentes grupos.

Há um acrônimo, que aprendemos e às vezes usamos na canoagem para facilitar a desafiadora tarefa de liderar um grupo, que fornece um ótimo conjunto de diretrizes a serem seguidas. Na verdade, essas diretrizes podem ajudar em diversas situações em ambientes ao ar livre, quando se está liderando um grupo de pessoas.

O famoso acrônimo é o CLAP (ou CLEP em português), que significa:

- Communication (Comunicação)
- Line of sight (Linha de visão)
- Avoidance (Evitar é melhor do que remediar)
- Position of maximum usefulness (Posição de máxima utilidade)

Communication (Comunicação)


Começando com a comunicação, há uma série de considerações a serem feitas:

- Briefing: sempre é importante realizar um rápido e conciso briefing antes de entrar na água. Sua realização é fundamental tanto para grupos de pessoas desconhecidas e inexperientes, como para grupos já conhecidos e bem experientes. Diversos pontos podem e devem ser abordados. Relacionados à comunicação, um assunto importante são os sinais de comunicação.

Briefing sendo realizado no segundo dia da Remada de Inverno de 2017.
Definindo como os grupos se organizariam e quais os trajetos.
Foto do Xiru Sander.

- Sinais:
na canoagem usamos muitos sinais feitos com o remo. Estes são importantes porque a água em movimento pode ser barulhenta ou o remadores do grupo podem não estar muito perto uns dos outros. É necessário trabalhar o grupo e verificar se todos entendem os sinais usados, porque estes não são universais, existem pequenas variações. Independente dos sinais usados, o importante é que eles sejam bem diferentes uns dos outros, de fácil identificação.


Por exemplo, se você estiver descendo um rio e um grupo na sua frente estiver apontando para algo, pode ser que eles estejam sinalizando um perigo ou ainda que eles estão mostrando o lugar que você deveria estar indo para se livrar do perigo. Que dúvida cruel! Então é necessário ser muito claro dentro do grupo, para que, pelo menos neste contexto, todos entendam seu próprio conjunto de sinais.

E se os membros do grupo usam diferentes sinais com o mesmo significado?
Qual deles deve ser escolhido para ser usado? O que a grande maioria conhece e já está acostumada a usar, pois aprender novos sinais minutos antes de entrar na água pode gerar confusão. A maioria das pessoas, quando estiver sob pressão, vai voltar a usar os sinais que já conhecia.


Se existe alguma dúvida quanto aos sinais, é importante praticar um pouco em terra, num ambiente seguro. Fazer simulações. O contato visual entre os remadores que estão se comunicando é uma forma eficiente de demonstrar entendimento.


Em muitas vezes, os sinais de remo são úteis, pois podem ser vistos mais facilmente a uma grande distância. No entanto, não os use como uma desculpa para perder a linha de visão.

- Seus sinais são simples e combinados com antecedência?
- Combine os sinais e faça um briefing claro e conciso.
- Não faça suposições. Confirme se a mensagem foi entendida com sucesso.
- Aponte sempre para o caminho seguro.
- Confirme o entendimento com contato visual ou repetindo o sinal de volta ao emissor.

Sinais com o apito: a grande maioria dos remadores carrega um apito no colete, mas o que significam diferentes sinais usando o apito? Existem diversos significados para os silvos. Da mesma forma que os sinais do remo, estes devem ser combinados no briefing e treinados em terra. Três silvos repetidas vezes são um sinal universal para emergência e só devem ser usados para isso.

- Comunicação não-verbal: aqui a linguagem corporal e linguagem de barco entra em jogo. Quando alguém olha para o barco ou para as pessoas que estão remando é possível ter informações importantes sobre o que está acontecendo... Você pode entender o que está acontecendo na sua frente apenas olhando a reação dos remadores e seus barcos.

- Comunicação em situações estressantes: sabe-se que, particularmente em situações estressantes, as pessoas conseguem absorver uma quantidade bem pequena de informação. Na verdade, em uma situação difícil, muitas vezes apenas a última coisa falada é realmente lembrada. Sendo assim, nesses casos é necessário sem conciso quando estiver dando uma informação/ordens ao grupo.

- KISS (Keep It Short and Simple) (mantenha a comunicação curta e simples).

Line of sight (Linha de visão)


Manter a linha de visão é realmente um fator bastante importante em todas as situações de aventura. Dentro dos esportes náuticos em particular, quando um problema acontece, pode ser que aconteça muito rápido. Alguns problemas podem ser resolvidos se alguém conseguir ver e prontamente ajudar. Se alguém estiver sozinho, fora da linha de visão do grupo, a mesma situação poderá facilmente se tornar problema muito grande.


Então, linha de visão significa tentar manter uma visão de todos dentro do grupo. Isso pode ser muito simples na medida em que o líder consegue se posicionar bem. Talvez seja estar depois de uma corredeira, quando o grupo se move naquela direção; ou pode ser estar em uma curva da corredeira onde é possível ver as pessoas que já passaram e também as que ainda vão passar a corredeira.

Pode ser que em outra situação, o lider consiga manter a linha de visão ao criar uma linha de visão em cadeia entre os membros do grupo. O que quero dizer é que, por exemplo, o líder pode estar depois de algumas pedras em alguma curva do rio, mas ele tem um outro remador posicionado em um ponto que consegue ver tanto o líder quanto todos os outros membros do grupo, e assim é mantida a linha de visão geral. Além de manter a visão de todos, isso possibilita também poder passar os sinais necessários através desse remador intermediário.

Linha de visão em cadeia, mantida pela atuação do Remador B.
Na água, como membro de um grupo, você precisa criar o hábito de cuidar daqueles que estão ao seu redor. Como líder, você não deve ficar apenas olhando para frente, procurando pelos perigos, mas deve também ficar olhando para trás, verificando se o seu grupo está bem.

Por último, mas não menos importante, uma pessoa no grupo deve ficar com a missão de verificar o último remador. A pessoa na parte de trás pode ver todos os outros, mas o grupo também precisam cuidar dele.

- É possível ver um caminho seguro até o próximo ponto de parada?
- Você consegue ver todo o grupo?
- Nunca execute nada às cegas: você só pode avaliar os riscos que consegue ver.
- Todos os membros do grupo devem permanecer na linha de visão de pelo menos um outro membro do grupo.
- Sempre se esforce para fazer com que seus colegas remadores fiquem em sua linha de visão.
- Nunca permitir que todos os remadores deixem um lugar de segurança para lidar com um resgate. Envie um resgatador capacitado e mantenha a linha de visão usando uma cadeia de remadores.

Resumindo, em primeiro lugar, todos em seu grupo precisam estar na linha de visão, para que você possa ver se eles estão bem e também para poder transmitir sinais. Isso não significa que você, como líder, deve poder ver todos. Se você não conseguir ver de onde você está, mude. Isso pode significar a passagem para um outro lado do rio, movendo outro remador para uma posição melhor para passar sinais, ou até sair do seu barco para ver os membros do grupo, ser visto e conseguir passar os sinais.

Um segundo significado de "linha de visão" é poder ver o ambiente a sua frente. Nunca se comprometa com algo que você não pode ver. Como é a corredeira? O que está acontecendo após a corredeira? Você pode ver toda a corredeira? Mova-se para uma posição que você possa ver e em caso de dúvida, saia do caiaque a analise..

Avoidance (Evitar, prevenir é melhor que remediar)


O líder, com sua experiência, pode e deve antecipadamente detectar quais os perigos e comunicar às pessoas o caminho a seguir para evitá-los. O líder pode colocar-se em uma posição que atrai pessoas para eles (e para longe do perigo). Portanto, a prevenção é ativamente detectar os riscos e tomar medidas adequadas para que esses riscos não causem qualquer tipo de problema ao grupo.


- Crie uma atmosfera de apoio mútuo dentro do seu grupo.
- Não basta apenas perguntar "Como você se sente?"
- Você poderia evitar uma situação se preparando préviamente? E se isso acontecesse?
- Preparação prévia e planejamento evitam o mau desempenho.
- Controle apropriado do grupo e conscientização do grupo sobre risco e possíveis problemas.
- Avalie os riscos - nunca coloque seu caiaque onde sua mente ainda não tenha ido.
- Ensine e pratique resgates antes de serem necessários (treinar sempre as duas situações: resgatista e vítima).

Position of maximum usefulness (Posição de máxima utilidade)


P, a última letra do acrônimo, é para posição de máxima utilidade. Na maioria das vezes, no entanto, quando falamos sobre a posição de máxima utilidade, estamos nos referindo a minimizar os riscos.

Pode ser que esta posição seja quando um remador sai do seu barco, e ajude outros remadores a atracarem. Ou fique ajudando todos a entrarem na água em uma situação agitada... Em um trajeto desconhecido pela sua turma, pode ser mostrando por onde ir... A posição de máxima utilidade pode ser quando você esta no seu barco, depois de todos, em uma corredeira,  porque, se alguém virar, você está em uma posição boa para perseguir os barcos ou as pessoas. E pode ser que outra posição útil seja depois de uma queda, com uma cabo de resgate...

Em outra situação, pode ser que você fique do lado oposto de um lugar perigoso e você sinalize para que as pessoas venham até você, pode ser que essa posição seja a mais útil neste contexto.

Todos esses exemplos servem para ilustrar que a posição de máxima utilidade muda em cada situação. Nem sempre é ficar depois do grupo, nem sempre é circular no meio, nem sempre segnifica remar na frente de todos, nem sempre é estar perto de um local perigoso. Mas sempre requer um pensamento cuidadoso...

Ao proteger o grupo de uma determinada situação, os remadores capacitados devem posicionar-se para cobrir o maior risco. Isso geralmente significa cobrir os problemas que são mais prováveis ​​de ocorrer, em vez de pensar apenas na situação mais perigosa. Num próximo momento escreveremos sobre análise de risco...

Se você acha que alguém do grupo pode virar em uma determinada corredeira do rio, você é mais útil na frente do grupo onde você terá que percorrer um longo caminho de volta para chegar na vítima, ou depois do grupo onde a corrente irá ajudá-lo a ir na direção da vítima? Quanto tempo demora para você remar e fazer o seu caminho de volta numa corredeira, querendo chegar a alguém que está preso? Você precisa estar no seu barco em cada corredeira, ou seria realmente mais útil, em alguns casos, se saisse do caiaque e ficasse em terra com um cabo de resgate?

Cada situação apresenta seus próprios desafios e você precisa antecipar o que pode acontecer e usar o seu próprio julgamento para decidir onde você estará melhor colocado. A posição de máxima utilidade se estende para cenários de resgate também. É necessário ponderar onde cada um pode ajudar mais em um resgate, seja em uma corredeira, no mar ou em uma lagoa...


- Onde você deve se posicionar para estar pronto para ajudar?
- Você deve ficar entre o grupo e o perigo?
- Onde você deve se posicionar para controlar o grupo? E em um resgate?
- Você está seguro? O seu grupo está seguro?
- Posicione-se para assegurar uma boa comunicação...
- Posicione-se para gerenciar ou prevenir os incidentes mais prováveis...

- Você é mais eficaz quando você está seguro.
- Em seguida, considere a segurança do seu grupo.
- Finalmente atenda a sua vítima.

CLAP: Um acrônimo para lembrar e aplicar sempre...

Então, lembre sempre do CLAP: Comunicação, Linha de visão, Evitar (é melhor do que remediar) e Posição de máxima utilidade.

Se você está remando ou com um grupo em outra situação ao ar livre, o CLAP oferece um conjunto de ferramentas fácil para aspectos importantes da segurança do grupo.


Links


http://frontierbushcraft.com/2013/01/02/clap-outdoor-safety/
http://www.hinckleycanoeclub.co.uk/river-leadership/
https://www.badpaddlers.org/technical/50-clap
https://iboutdoor.wordpress.com/2014/01/09/river-leadership-position-of-maximum-usefulness/


Comente sobre o assunto...
Deixe sua opinião, nos conte suas experiências... 
Discorda de algo? Escreva... 
Tem alguma dica para enriquecer a discussão? Mande... 
Sugestões e críticas são sempre bem-vindas. Obrigado.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

8º Encontro CAIACAR de Canoagem - 2017


Teve acampamento...


Teve comilança: bolo, lanches e tudo mais...



Teve cursos e muita troca de informação... teória e prática





Teve remada...








Teve abraço molhado...


Teve abraço no trapiche...




Teve muita amizade e camaradagem...





Gurizada da canoagem em peso...












Teve brindes e premiações....


Pena que acabou...


Fica aqui o registro dos 10 anos da Confraria Caiacar.
Parabéns!!!

A grande maioria das fotos é da Cristina, algumas do Sena, algumas do Waldo, e umas da Fly Camera Pelotas... 

Curso de Líderes em Turismo de Aventura - 2017


O nosso curso foi realizado em 19, 20, 21 e 22 de Outubro de 2017, com o instrutor Humberto Medaglia, da Aimberê Treinamentos - Vida ao Ar Livre, organizado pelo Murilo Basei, da Gaudério Adventure. Essas fotos top foram tiradas pelo fotógrafo Rivo Biehl. O curso ocorreu no Acampamento Base, em São Francisco de Paula.

Instrutor: Humberto Medaglia começou suas atividades em 1989 no CUME - Centro Universitário de Montanhismo e Excursionismo. Sócio da Aimberê Treinamentos. Possui formação de Guarda Parques – Senac e Hockinn College – EUA. Cursou Biologia na Universidade Mackenzie. Instrutor Sênior e Ex - Coordenador de Programas da Outward Bound Brasil, líder mundial em educação experiencial ao ar livre à mais de 14 anos. Trabalha em treinamentos coorporativos há mais de uma década para várias instituições. É instrutor de canionismo formado por Patrick Gimat – Ecole Française de Canyonisme. É Chefe de Equipe de Resgate em Caverna, pela Federação Espanhola de Espeleologia – FEE e Sociedade Brasileira de Espeleologia- SBE, elaborou o conteúdo do Curso de Competências Mínimas do Condutor de Turismo de Aventura baseado na NBR 15.285 e ministrou mais de 60 cursos presenciais pelo Brasil, somando mais de 3000 horas de campo e experiência na ABNT NBR 15.285. É Auditor de Sistema de Gestão de Segurança pelo IBQP / Inmetro. Especialista em Turismo de Aventura do Inmetro. Coordenador da Comissão de Estudo que escreveu as ABNT NBR ́S de Técnicas Verticais da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT NBR 15.501 e 15.502). Conteudista dos cursos: 1- Arvorismo, Tirolesa e Rapel e 2- Canionismo e Cachoeirismo para o Bem Receber Copa. É socorrista em áreas remotas - Wildernnes First Responder, pela Fundacion Ecomed - Argentina e Wilderness Medical Association – CAN e Wildernnes First Responder pela NOLS e Wildernnes Medical Institute - EUA. É Auditor Especialista da ABNT Certificadora, participando da primeira certificação em Sistema de Gestão de Segurança no Brasil.

Os dois primeiros dias foram de aulas teóricas, dentro da sede do Acampamento Base.

DIA 1 – Estacionário: Abertura Institucional; Apresentação do Programa, Metodologia e seus Objetivos; Apresentação Pessoal e Alinhamento de Expectativas; Prova de Conhecimentos e Competências do condutor; Recebimento dos documentos (inscrições, fichas médicas); World café sobre liderança em atividades ao ar livre; Comunicação (dinâmicas e conceitos), inferência; tipos, códigos, atores, escuta ativa; Os Indivíduos: Pirâmide de Maslow: dogmas culturais / religiosos / sociais; Liderança (dinâmicas e conceitos): tipos, estilos;

DIA 2 – Estacionário: Estratégias de comunicação para grupos (preleção, dicas, motivação, boa apresentação e higiene pessoal, linguagem); - Técnicas de navegação e orientação: cartas topográficas, mapas, utilização de bússola, escala, curvas de nível; - Legislação pertinente aplicada ao turismo: Normalização Brasileira, Lei Geral do Turismo; Código Civil de 2002, Responsabilidades Administrativas, Civis e Penais, Código de Defesa do Consumidor;












Depois de muita chuva, um final de tarde espetavular.









Depois, no sábado pela manhã, saímos para campo.

DIAS 3 e 4 – Expedição de campo para exercitar os requesitos da Norma: Interpretação de sinais climáticos, meteorologia: frentes frias, correntes, raios, estações climáticas, segurança; - Requisitos básicos de segurança no turismo de aventura, perigos e riscos ambientais mais comuns; Técnicas de mínimo impacto ambiental: educação ambiental, não deixe rastros, ética e história; Tomada de decisão (dinâmicas e conceitos em expedição): em situações adversas, participativa; Leitura de grupo; Técnicas e exercícios de Feed Back; Manutenção da Competência e Plano Pessoal; Avaliação; Encerramento.
































Terminamos o curso com mais algumas lições sobre navegação com bússola.





Foi um ótimo final de semana de muito aprendizado.